LINDA EM ABSTINENCIA

Ontem a noite eu tive uma crise horrorosa.

Eu sinto muita (muita mesmo) falta de depoimentos de quem está passando pelo tratamento...pela fase da abstinência.
As únicas pessoas que posso conversar francamente sobre a doença, são a Priscila Potira e uma amiga a qual chamarei aqui de K.
A Priscila já está a anos luz na minha frente. E sempre que tenho dificuldades, dúvidas, medos, recorro a ela.
O que ela sempre me diz é que na minha jornada de melhor um dia ruim não anula 153 dias bons.
A K. está longe de procurar ajuda. Eu mesma marquei psiquiatra para ela. Ela, a princípio, não sente a necessidade da melhora ainda. Ela vomita, tem compulsões, vive refém da bulimia (e as vezes, invejo ela. Eu queria tanto poder vomitar...).

Antes de procurar ajuda, sempre pensei que a bulimia era restrita ao fato de comer e vomitar e não engordar. Só. Hoje, depois de tanto tempo sem vomitar, vejo que engloba muito mais coisas. Como a própria Priscila disse em uma entrevista: "O bulímico precisa daquilo."

Mas, voltando a minha crise.
Estou de TPM. Incrível como ficamos mais sensíveis e mais suscetíveis a compulsões.
Ontem eu tive vontade de vomitar o dia inteiro. A tarde tomei leite com bolachas e quis vomitar...para "fugir" da vontade, dormi. Acordei já era noite (por volta das 19hs)...com a TPM  a flor da pele, chorei enquanto assistia o Fantástico, nas reportagens um pouquinho mais temperamentais.
Decidi que iria fazer uma janta leve, já que tinha me "entupido" de leite com bolachas (aqui vale uma observação importante. Quase todas as vezes que eu tenho vontade de vomitar, eu não necessariamente comi muito. Não foi uma compulsão. Apenas comi algo a mais, que não estava previsto no meu cardápio recomendado pela minha nutricionista). Logo, não me entupi, então poderia fazer minha refeição normalmente. Mas não, preferi comer algo mais leve.
Comi, me arrumei para deitar, fui dormir. Insônia. Falta de sono (claro, dormir até as 19hs)...vira para um lado, vira para o outro. Incansáveis horas refletindo sobre a vida, sobre como acabar com a miséria do mundo. Minha barriga começou a roncar (era quase duas da manhã). Mas pensei em ignorar o ronco do meu estômago e apenas esperar o sono vir....
Olhei no relógio de novo 2:04hs. E de novo 2:20hs. Eis que eu lembro que tem um pedaço de pizza na cozinha. Refleti: "Meio pedaço de um pedaço não vai fazer mal!"
Fui lá. Era um pedaço só. Mas era um pedaço ENORME. CHEIO de recheio e queijo, catupiry...corte ao meio. "Vou comer só meio pedaço." A hora que eu vi, já tinha comido tudo, até meio sem mastigar, de tanta pressa em engolir. Comi tão rápido, me sujei tanto que juro que se alguém me pegasse, aquela hora da madrugada, sozinha na cozinha iria pensar que eu estava há duas semanas sem ver comida. Enfim, comi tão rápido que quase me engasguei. E mesmo engasgada continuava mordendo o pedaço de pizza (enorme) e mastigando.
Acabou. Comecei a chorar.
Que desespero! Quero vomitar.
E eu sei que um pedaço de pizza não vai me engordar (assim como um prato de salada não vai me fazer emagrecer), mas eu queria vomitar. Acordei meu namorado (quase três horas da manhã)...e comecei a chorar, pedi para ela não me deixar sair do quarto porque eu queria vomitar. Queria mesmo. Se ele falasse "pode ir vomitar", eu iria. 
Chorei, chorei. Queria vomitar. Não importa se isso ia me fazer dar um passo para trás no tratamento, se eu ia me sentir mal depois. Eu só sei que eu queria vomitar. Mas o meu namorado me abraçou e ficou conversando comigo, para que eu me acalmasse. Juro que pensei em fingir que a "comida não tinha caido bem" e forçar o vômito...e falar que eu vomitei porque comi muito rápido. Sei lá!
Mas fui chorando, conversando com ele, ele me acalmando dizendo que tudo de ruim que eu estava sentindo já iria passar...e peguei no sono (e hoje acordei toda inchada de tanto chorar).

Queria ouvir de mais pessoas que estão em tratamento. Por favor, me ajudem. Falem de vocês aqui.
Me contem se também está sendo difícil, sobre as crises de abstinência, as tristezas e dúvidas.

Agora, depois que eu passou, me sinto bem por não ter vomitado. Eu disse no último post que estou mais feliz sem vomitar. E estou mesmo.
Depois que passa o desespero, a angústia, a crise...eu vejo que estou conseguindo lutar contra o que me faz mal. E ser refém dessa doença não é bom. Ser refém de qualquer coisa não é bom. Eu quero liberdade! Quero sair com os meus amigos sem me preocupar com o que terá para comer.

Estou aqui para mostrar a minha luta. Mas nesses momentos de crise, vejo que sozinha não consigo. 
Se alguém puder compartilhar comigo desses momentos ruins...

Comentários

  1. Oi Linda :)!
    Sou a Ana, e também sofro de bulimia há uns 10 anos ou mais(não me lembro bem,quando tive meu 1º episodio de compulsão e vómito).
    Estou a ler seu testemunho e a ter uma crise compulsiva ao mesmo tempo, dá para acreditar?!Já procurei ajuda várias vezes, mas acabo smpre por desistir. Não consigo viver sem isto, a ideia de viver sem bulimia assusta-me, pois sinto nela o meu conforto, mas ao mesmo tempo, ela não me deixa viver, não me deixa ser feliz...sou sincera, não sei se algum dia me vou conseguir livrar dela, sinto-me sozinha e muito incompreendida por aqules que me são mais proximos.
    Admiro muito a tua coragem para te curar e acho muito normal esses momentos ruins que acontecem contigo, pois só nós que passamos pelo mesmo, conseguimos perceber essa luta diária e o dificil que é manter o controlo. No entanto, parece-me que estás no bom caminho, não desistas nunca...

    Se eu puder ajudar de alguma forma, nem que seja so para falar e apoiar é só dizer.

    Beijinhos. Ana!

    ResponderExcluir
  2. Oieee.... Primeiro de tudo..PARABENS pela sua atitude...é isso aí garota...vc ta no caminho certo... as crises de abstinência são TEEEEENSAS DEMAAAIS...digo isso por experiência própria. Bom, mas deixa eu me apresentar:
    Me chamo Samuel, sofro com bulimia há 13 anos, e pela primeira vez na minha vida resolvi buscar ajuda de verdade no ano passado. Pq de verdade? Pq cheguei a comentar com uma pessoa ou outra sobre meu transtorno, fui ao psicólogo umas duas vezes, e pá, fingi que já estava tudo resolvido! Quando na verdade não estava.. eu estava em um caminho mais auto-destrutivo que nunca imaginei estar.... cheguei a entrar em coma por 9 horas, em função de uma parada cardio-respiratória que eu tive. Sabem por que? Excesso de trabalho, um pouco de álcool (pouco mesmo, duas latas de cerveja e um copo de catuaba) e um batimento cardíaco completamente desregulado pelo desbalanço eletrolítico de Na e K no meu organismo provocado por anos de bulimia. Eu poderia ter nunca mais ter acordado!!!! Enfim... voltei, e pasmem, não parei de vomitar... o vício era muito mais forte que eu... mas meu corpo já dava os indícios de que nã estava mais aguentando aquele ciclo todas as noites...um verdadeiro ritual, em que em momentos de estresse eu me encurvava até 3 vezes ao dia no vaso sanitário e mandava tudo pra fora. Mas foi em 2012 que minha ficha realmente caiu, e eu vi que se eu não pedisse ajuda eu morreria cedo ou tarde. Escancarei o verbo pra minha família, pros meus amigos, pros meus colegas da pós-graduação, meus orientadores, coordenação de curso (eu cursava Doutorado) ...ERA TUDO OU NADA...larguei a vergonha de lado corri atrás de ajuda...PSICÓLOGO, PSIQUIATRA, NEUROLOGISTA,OFTALMO, ASSISTENTE SOCIAL,DENTISTA, fiz exames de sangue,...enfim... tudo afim de ver o estrago causado no meu corpo e tentar reverter a situação. Por fim resolvi desisitir do meu Doutorado (que era um gd motivo de estresse) mesmo com muitas pessoas me chamando de maluco. E hoje voltei a morar nas casas dos meus pais e sigo com acompanhamento médico e terapeutico pra me livrar de uma vez por todas dessa DOENÇA. RECAÍDAS SÃO FREQUENTES! CRISES DE ABSTINENCIAS são horriveis, vc fica irritado(a), com fortes dores de cabeça, sem sono, enfim... uma série de efeitos extremamente indesejáveis..mas acredite... no dia seguinte.. tudo passa.. e vc fica muito mais feliz quando vc ve que vc venceu mais um dia desse VÍCIO que nóa entramos. Temos que lutar contra duas fases : A da compulsão alimentar e a da indução do vômito, vencendo a primeira, estamos há um passo da nossa vitória... desculpe o texto gigante... mas precisava alertar a moçada do perigo que vocês estão correndo e muitas vezes nem imaginam. Abbcs..

    Samukka

    ResponderExcluir
  3. Oi Linda!! Primeiro quero te parabenizar por conseguir enfrentar este dia. Eu tenho bulimia há mais de 13 anos, hoje tenho 28 anos. Minhas crises se agravam em momentos de tensão, incluindo brigas de família. Eu não sei como, mas consegui finalizar meu mestrado e doutorado e hoje estou no pós-doc. Claro, passando por muitas crises de compulsão e vômito. Também quero parabenizar o Samukka por ter escancarado a doença e ter pedido ajuda. Essa coragem eu nunca terei. Acredito que, para muitos que não me conheçam a fundo, eu passe uma imagem de pessoa de bem com a vida e com o corpo. Meu desejo é que isso não seja a base de vômito. Bom, no momento estou morando na Alemanha fazendo o pós-doc e aqui não tenho acesso a medicamentos antidepressivos nem a psicólogos. Não são todos os dias que tenho crise, mas tem dias que tenho várias crises em um mesmo dia. Principalmente se estou em casa sozinha, com comida à disposição no armário e com dificuldades nos estudos (sempre tem), ou ainda, com a casa para limpar. Às vezes, não tenho vontade de sair da cama, chego a tomar Rivotril (eu trouxe do Brasil) para apagar um pouco. E muitas vezes sou intolerante demais com as coisas, ficando agressiva com meu namorado. Ele pensa que bulimia é algo do meu passado e que hoje está bem resolvido. Sinto que ele acha que bulimia é um artifício barato para não engordar (no fundo é), sendo facilmente controlável, ele não admitiria que eu ainda tenha isso. O que eu resolvi fazer para tentar sair dessa doença, foi um diário secreto meu, colocando tudo o que me alimento e como enfrentei as adversidades do dia dia. Esse diário comecei dia 1 de dezembro. Cada refeição que faço sem compulsão e sem que "ela" não me domine eu conto como uma vitória. O melhor é não ter os alimentos vilões em casa, principalmente salgadinho, bolacha e balas. E se comprar um desses, que seja em pacotes pequenos, falando por mim, se eu abrir um pacote de salgadinho por exemplo irei comer inteiro, não interessa se seja mini ou tamanho família. Escrever o que eu faço, parece que está me ajudando a refletir sobre meus atos, fazendo eu me tornar uma pessoa melhor comigo mesma e consequentemente com os outros. Estou a 3 dias sem compulsão e vomitar e espero comemorar o Ano Novo com essa pequena vitória. Lembro que a cada ano que passava, meu desejo era sempre me livrar "dela". Lendo os posts do blog eu me identifico muito com as pessoas com bulimia e isto está me dando forças pra superar, assim espero.

    Ro

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas