28. Como cheguei a Cura.

(RELATO ESPECIAL)
Parte I
Uma coisa que aprendi e que sempre falo para as pessoas que tem bulimia, é que a cura é gradativa. Eu acredito que existem pessoas que conseguem se livrar do dia para a noite da doença, apenas pela sua força de vontade. Porém não a maioria. A bulímia é mais do que uma doença. Ela é um vício. Uma rotina, uma dependencia psicológica. Cada recaída é desesperador, pois ao passar os meses e os anos, a impressão é que a cura acaba se tornanda cada vez mais distante de quem enfrenta a bulímia.

Fiz entrevista com uns 5 psicólogos, não gostei de nenhum. Visitei duas nutricionistas e não consegui segui nenhuna dieta. Entrei no grupo de apoio na Escola Paulista de Medicina. E lá foi aonde dei o meu primeiro passo. Encontrei mulheres com o mesmo problema que eu. Isso me confortou. Descobri muita coisa da doença que eu não sabia. Descobri que os sentimentos que eu tinha não aconteciam só comigo. Naquela em época em 2002 não existia orkut, facebook, youtube. Era muito mais difícil de ter acesso a essas informações.

Hoje mesmo você não pertencendo a um grupo de apoio, pode encontrar pessoas com o mesmo problema em comunidades virtuais e trocar experiências. O ponto positivo é que hoje é possível procurar por ajuda sem sair de casa, pela internet. O ponto negativo é que não terá um acompanhamento de médicos e psicólogos adequado.

Não parei com a bulímia no grupo de apoio, mas entendi melhor a doença, senti vontade de me curar, mas ainda me sentia distante de uma cura de verdade. No ano seguinte o meu grupo não deu continuidade. Eu poderia ter me sentindo um caso perdido, aliás eu tinha certeza que eu era um caso perdido. Eu imaginava que as mulheres que contavam histórias que estavam a 6 meses, 9 meses sem bulimia eram todas mentirosas. Afinal o que elas faziam no grupo de apoio então? Confesso que no fundo, eu as invejava. Mas ouvia suas histórias e compreendia muito sobre mim mesma.

Parte II
Em uma das minhas crises, minha
família ameaçou a me internar. Eu morria de medo de chegar a este ponto e sempre achei que minha mãe não teria coragem e se sentiria culpada. Eu já imaginava se o extremo acontecesse que viraria rebelde. Não falaria nunca mais com ela, sairia de casa, fugiria para o mundo. No fundo eu era uma adolescente desmiolada e sem esperança que não enxergava o desespero da minha família em me tirar dessa.

Fui entrevistada por uma psiquiatra a Doutora Patrícia, dura na queda e difícil de passar a perna. Digo isso porque eu mentia muito sobre minha doença. Menti para todos os psicólogos, menti no grupo. Nunca dizia toda verdade, nunca fui sincera de me abrir e falar. "EU VOMITAVA DE 3 A 5 VEZES NO DIA, TODOS OS DIAS!" Se eu conseguisse vomitar uma vez ao dia, já seria uma grande vitória. A este ponto eu já tinha 20anos de idade e 6 deles acompanhados da bulímia.

Eu tinha medo de terapia, eu fugia, me escondia, não gostava. Os 4meses seguidos que eu fui na doutora Patrícia, começaram a me colocar nos eixos. Ela exigia bastante de mim. No começo não fui com a cara dela, e acredito que nem ela com a minha. Mas por ter uma personalidade forte aos poucos fui sentindo a confiança que nunca havia sentido de nenhum outro terapeuta. A doutoura veio com uma nova visão e apesar de ser psiquiatra, eu a adotei com minha psicóloga. O pouco tempo no consultório dela, deu-se porque eu estava estudando em uma faculdade na Austrália e tirei um semestre para cuidar de mim no Brasil. Porém foi um tempo muito importante e um novo passo para a cura definitiva. Ela me prescreveu PROZAC, eu tomava 3 por dia e depois diminui para 2. Sempre fui contra a medicamentos. Porém o anti depressivo funcionou como um empurrãozinho contra a compulsao alimentar.

Parte III
Passei as férias da faculdade de Natal e Ano Novo no Brasil com minha família, era o ano de 2005 começando e muitas coisas na minha vida mudaram. Já estava na Austália há um ano e meio, entre altos e baixos com a bulímia. Quando voltei para o próximo semestre, eu mudei de casa, de curso, de faculdade, perdi um namorado por quem era apaixonadissima. No começo sofri muito, descontava meus problemas no vomito. Aos poucos fui me readaptando e preenchendo meu tempo longe de casa e longe das tentações das comidas deliciosas.

Se ficasse dois dias sem medicação, eu sentia uma sensação ruim de víco pelo remédio e uma vontade maluca de comer doces e chorar. Sabia que o remédio estava me ajudando muito, mas morria de medo de sair de uma dependencia e entrar em outra. Com certeza outras pessoas também devem sentir isso. Esse medo. Se curar da bulimia também tem seu preço, mas vale a pena.

O problema é que por mais que eu me esforçasse, minha cura só durava duas semanas.
Duas semanas era o tempo máximo que eu conseguia ficar sem vomitar. Sentia até um certo orgulho quando se passavam os 3 primeiros dias, mas no final da semana já vinha a culpa. Eu me sentia culpada de comer e mais culpada ainda de vomitar.

Comecei a prestar mais atenção no que eu comia, como não tinha certeza se eu guardaria a comida dentro ou não, cortei bastante os doces e procurei uma alimentação mais saudável. Comecei a comprar comida orgânica, me interessar por legumes, arroz e coisas integrais, cortei carne vermelha, (hoje só como peixe). Perdi muito cabelo na bulímia e algumas comidas eu queria mesmo que ficassem dentro de mim para voltar a crescer mais cabelo, para me deixar mais bonita.

A cura de 2 semanas, começaram a se extenter a até 2 meses. Mas a cada recaída eu achava super difícil continuar e recomeçar a contar do zero. Ficava mal durante 2semanas tendo crises de vomito 4 vezes ao dia, eu me entregava pela decepção de ter falhado e assim o ano foi passando.

Procurei fazer algo positivo no mundo, já que me sentia tão para baixo. Resolvi fazer trabalho voluntário com crianças deficientes. Quinzenalmente passava o final de semana em uma casa que acolhia estas crianças na cidade de Ballina. A vontade de ajudar alguém me fez ter mais vontade de me ajudar. Quando alguém te admira e acredita em você, faz você acreditar mais em si mesmo.

Parte IV
No mês de junho comecei a namorar com Australiano lindo com uma família maravilhosa que me apoiou muito enquanto eu estava lá. Para minha despedida em Dezembro marcamos uma viagem de três semanas de carro para o Nordeste Australiano. Antes de viajar eu me abri com este namorado, atitude que nunca tive coragem com nenhum outro. Tinha muito medo da reação, de ser largada, mas ele foi um doce. Compreendeu porque eu tomava o remédio, compreendeu meu defeito sem me julgar.

Ele me propos diminuir a dose do remédio durante a viagem e tomar um comprimido ao invés de dois. Essa não é uma atitude correta, mas eu não estou contando essa história para tentar ser correta, estou simplesmente relatando a minha história.

Fiquei com medo, mas por gostar tanto dele, por confiar tanto que ele queria meu bem, eu aceitei. Aceitei tentar e dividir isso com alguém. A viagem foi perfeita, divertidíssima, conhecemos muitos lugares, dormimos em campings, alimentamos golfinhos, visitamos ilhas, pescamos, tomamos banhos gelados, andamos de barco, de 4x4, roubamos manga do pé, nadamos pelados, rimos muito. Porém eu vomitei. Nada justifica minha recaída, a não ser o medo de esquecer como vomitar. Eu confesso que este foi o medo mais infantil que eu tive, mas aconteceu.

Não tive compulsão, nem nada, foi realmente o medo do futuro, a falta do remédio, enfim, mesmo com tudo perfeito tive uma recaída.

Tomei coragem e no mesmo dia, alguns minutos depois me abri com este namorado. Contei que eu havia falhado, que eu o havia decepcionado, e que entenderia se ele ficasse chateado comigo. (Eu já estava acostumada com este tipo de reação). Ao contrário de tudo que eu achava que iria acontecer, ao contrário do sermão de quanto a bulimia fazia mal que eu já estava cansada de escultar, este homem me apoiou. Ele simplesmente olhou para mim e disse. "Não tem problema, tá tudo bem".
Eu fiquei sem entender nada, levei um choque com a reação dele, praticamente fazendo pouco caso da minha recaída. E foi isso mesmo que ele fez, não se importou com aquela recaída com a mesma porporção que eu me inportava.

Ele ainda disse, que o importante não era aquela recaída e sim os outros dias que eu passei com ele na viagem sem vomitar. Falou que se até o fim da viagem eu continuasse com uma recaída, aquilo seria uma vitória. Ele enchergou o outro lado da moeda. Ele diminui o prazo de uma vida inteira sem a bulimia para 3 semanas. Eu percebi que eu não precisava recomeçar do zero. PORQUE EU JÁ NÃO ESTAVA NO ZERO A MUITO TEMPO! Cada vez que eu tinha que recomeçar a contagem sem ter uma crise bulímica, era uma tristeza, um sofrimento, porque a cada recaída eu me enxergava como uma fracassada. Mas para ele não, ele já enxergava como uma vitória. Era um único dia contra 3semanas. Um único dia não poderia ter mais importancia que os dias que passei bem e feliz.

Tive outras recaídas na vida, não naquela viagem, nem naquele ano, mas parei de contar. Talvez umas 4, eu já nem lembro mais o que me fez vomitar. Recaídas existem, mas agente não precisa recomeçar a contar do zero. O importante é prolongar cada vez mais o tempo entre elas. Valorizar cada passo até a cura. Ouvir cada palavra. Dividir uma história, não deixar de acreditar. A transformação demora um tempo, transformar um hábito, um pensamento, ter coragem. É PRECISO TER MUITA CORAGEM PARA CONSEGUIR VENCER ESSA LUTA, E AGENTE NÃO PRECISA E NEM DEVE SEGUIR NELA SOZINHA, EXISTEM PESSOAS QUE NOS AMAM OU QUE VEM QUE NEM ANJOS PARA NOS AJUDAR.

Sobre o remédio? Bem, continuei tomando 1comprido por dia. Ao voltar para o Brasil ainda fiquei um tempo com ele, voltei para o consultório da Doutora Patrícia, que depois de alguns meses me deu alta da medicação e eu não me viciei como eu temia, nem tive dificuldade de parar.


Texto de . Potira Marie @copyrights reserved

Comentários

  1. gostei bastante do teu blog, em especial este.. encontrei-o porque estou a tentar dar a volta à bulimia que me atorementa, mas como perecebes, e falas no teu texto é dificil de exprimir a bulimia seja a quem for... eu fi-lo uma vez, à uns anos atras, pensei ter-me curado dois anos da minha vida bem, mas voltei a ter uma recaida este ano e n me tenho aguentado sem recaidas durante a semana.. sinto-me bastante atormentada... mas sei que vou conseguir, tenho de conseguir. espero que com este fantástico texto, o teu, me tenha ajudado. :)

    ResponderExcluir
  2. Ola, quero muito falar com voce, meu nome e Camila, minha irma e bulimica, quero muito saber sobre um grupo de apoio a familiares, nao sei por onde comecar e ja faz mto tempo.. vc pode me indicar algum grupo? parabens pelo site! quero muuito ajudar minha irma que amo tanto!! muuitos beijos, que Deus te abencoe muuuito!!! me mande seu contato, por favor! carlosferreira25@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela sincera ajuda. Já estou na recaída, infelizmente, passei um tempo bem mas voltei a provocar o vômito. Espero voltar a normalidade pois a bulimia é um tormento.

    ResponderExcluir
  4. Olá, senti uma enorme tristeza ao ler o seu relato, pois me vi nesta mesma situação, porém sem conseguir me libertar deste tormento que tem sido bem dificil prá mim conviver com este transtorno. Já estou sem forças prá seguir em frente..

    ResponderExcluir
  5. Bom , a pouco tempo comecei com essa merda de doença, não por está gorda, mas pra chamar atenção, achava essa doença perfeita! Mas, quando eu conseguir a atenção que queria, continuei , aquilo era divertido pra mim, mas então meu namorado descobriu e relatou que eu estava doente, mas eu disse a ele que não, que eu poderia parar quando quisesse, mas sabia que estava errada, eu não tinha controle, era vicio, era algo estranho. Bom, estou aqui lutando pra vencer, tendo recaidas mas nunca deixando de lutar, eu não quero e nem posso destruir minha vida! Eu posso ser melhor! Eu tenho pessoas que me ama, e que me ama!
    Bom , parabéns, quero muito chegar onde você chegou, nessa fase de recuperação, tenho muito orgulho de pessoas como você!
    Gente, preciso conversa com alguem que passe pelo mesmo, então adc meu msn ai : lucianasanches8@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela tua vitoria! Tenho bulimia a 9 anos. Nem sempre vomitava todos os dias, mas no ultimo ano se tornou algo diario. Toda noite depois de jantar com o meu filho começa a me dar uma sensaçao de vazio q tenho q preencher com comida! principalmente doces. As mãos cortadas, a garganta dolorida, a queda de cabelo e principalmente a vergonha sao as consequencias de problemas q eu nao consigo solucionar entao ...como...como...vomito, espero q eu tb consiga me curar. Bom abraços e força para todos q sofrem dessa companheira maldita!
    lia mel-poa rs

    ResponderExcluir
  7. Olá! Antes de mais obrigada por partilhar tudo isso. Eu tenho muito medo de tomar medicaçao. Sempre acho que vou resolver sozinha. Notou algum efeito secundario com o prozac?
    muito obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. notei um pouco de falta de fome.
      o qeu foi positivo devido as compulsoes.

      Excluir
  8. Potira, obrigada pelo seu post. Há vários anos venho enfrentando crises de bulimia que duram alguns meses, param, mas sempre voltam. Resolvi essa semana buscar a primeira ajuda médica e fui a uma endocrinologista, pois tenho muito preconceito com psicólogos/psiquiatras e afins. Eu não sei o que eu esperava e é óbvio que qualquer um indicaria uma terapia, mas eu deixei claro para a endocrinologista que eu não me achava gorda, que eu sabia que não precisava emagrecer, mas que sei lá por que eu vomitava. Todos os dias. É raríssimo eu ter compulsão, mas invariavelmente vomito uma refeição ou outra. Ela disse que eu estava fazendo mal para mim e que não era normal vomitar todo dia, e que eu devia fazer exercícios e ter uma alimentação saudável se eu quisesse emagrecer, que vomitar não era o caminho. Todo o absurdo da bulimia é muito claro para mim, é óbvio que e absurdo e é óbvio que é mais saudável cortar gorduras e fazer exercícios. That´s not the point, though. Eu saí de lá meio brava, não marquei o retorno que ela pediu, jurei que não ia fazer nenhum exame e que não ia procurar mais ajuda nenhuma. Mas assim que cheguei em casa, jantei e vomitei a janta, pensei de novo que precisava fazer alguma coisa a respeito, e assim que achei seu texto. Gostei muito de lê-lo, ele é autêntico e identifiquei elementos que não encontrei em outros textos sobre bulimia. Artigos de sites e até mesmo depoimentos de bulímicos dão muito enfoque ao corpo e à forma física, e bulimia vai muito, muito além disso, isso quando passa por essa questão.
    Ainda não sei o que vou fazer a respeito da minha doença, mas fiquei com vontade de falar com você, então quis comentar o texto. Obrigada, Potira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, nao sei nem seu nome, se quiser me escrever mande uma email para aamicas@live.com bjo

      Excluir
  9. Achei muito legal o que você relatou, mas diferente de voce meus familiares nao sabem desse probleminha que vem acontecendo comigo a quase 5 anos. As vezes tenho sintomas de gastrite, que incomodam muito por acaso, e minha mae nao desconfia de nada. Quero contar, mas como faço se ela e extremamente conservadora. Ja tentei parar por algum tempo, mas ultimamente isso esta acontecendo mais vezes. E psicologo esta fora de cogitacoes, ja que meus pais acham desperdicio de dinheiro. Acho que estou sem saida pra isso nesse momento.

    ResponderExcluir
  10. oi minha namorada tem bulimia eu queria que alguém me ajudasse para mim ajuda a ela eu estou cm ela a 7 meses e ela me falo que tem bulimia ã 3 dias atrás td dia eu penso nela e no que ela faiz e fico sem come preciso di um concelho para mim ajuda ela gostei mt da sua historia se vc tive face me adiciona eu vo ti da a minha conta (lipe_gatao97@hotmail.com) e essa ai me add la por favor

    ResponderExcluir
  11. É mesmo, gostei imenso do teu blog, minha namorada tem bulimia, e começou depois de eu estar com ela, de momento eu nao sei como reagir a isso, porque nao consigo imaginar o que fez com que ela tivesse a doença, eu faço tudo por ela, nao faz nem 2 horas que ela me falou da doença e desde entao estou procurando em sites como ajuda-la, ja conversei com ela e ela aceitou em dar um passo a frente , quero poder ajudar a ela a passar por isso, mas nao tenho muito conhecimento sobre a doença, espero que me ajudem. Obrigado..

    ResponderExcluir
  12. ola meu nome é valquiria não sei se sou bulemica, ultimamente me sinto angustiada com alguma coisa ii tenho vontade de comer muito mais logo depois me vem uma grande vontade de tirar toda aquela comida de dentro de mim, dai eu vomito até sair tudo. chego a vomita 2 a 3 vezes por dia ou mais.. antes não ligava pra isso. mais agora percebo que o que faço so ta me gerando grandes consequências.. tipo eu quero parar, mais não consigo sempre tenho uma recaida.. quando vomito 1 vez no dia, ja fico feliz ii começo a me animar, mais sempre acabo voltando pro vicio.. não seii o que fazer. tou com muito medo.. de esta com essa doença..estou longe dos meus pais ii não sei o que fazer.. tenho medo de contar pra minha mãe que ainda estou vomitando.. pois ela pensa que pareii. pode ser que eu não esteja com essa doença.. mais eu so queria ter uma alimentação saudavel i parar de vomitar.. sera que tem como vc me ajudar pelo menos falando alguma coisa..???

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo site, e por esse história linda de superação!
    Tenho uma irmã bulímica e eu e minha mãe não sabemos mais o que fazer em casa, por favor, se puder me enviar um e-mail de algumas dicas de como eu poderia conversar com ela eu agradecia muito.
    Quero aprender a poder ajudá-la, porque toda vez que toco no assunto com ela, ela se irrita e chora, percebo que só pioro as coisas.
    Você passaria o contato dessa doutora?
    Desde já, muito obrigada pela ajuda!

    Meu email: karenofernandes@gmail.com

    Grata,
    Karen Fernandes!!

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, me chamo Luciana tenho bulimia desde os meus 12 anos, convivi com ela dos meus 12 anos ate meus 23 anos. Em 2002 meu estomago parou de funcionar pois eu tinha bulimia junto com anorexia nervosa e passei 2 meses bebendo somente um copo de agua por dia. Ao chegar no hospital os médicos realmente não sabiam o que eu tinha, fiquei 45 dias internada sem comer nem beber nada e com uma sonda no estomago para retirar suco gástrico que o cérebro mandava para o estomago, sem funcionar esse suco não ia para o intestino onde ele deveria ir e isso me causava dores terríveis como agulhas entrando na minha barriga. Digo para vocês que sempre acreditei em Deus, mas a experiência de vida que tive no hospital me desanimou, principalmente quando o medico havia me operado viu que não havia nenhuma anomalia no meu estomago e fechou a cirurgia. Mas o pior mesmo foi ouvir da boca dele, que so um milagre me salvaria, pois ele já tinha tentado de tudo e o estomago não funcionava. Bem contei minha historia pois sei exatamente o que vocês passam, comer muito e vomitar para mim era um prazer se eu não fizesse 15 vezes por dia, isso mesmo 15 vezes eu ficava muito nervosa como se o mundo tivesse caído na minha cabeça. Por vomitar muito forçando chegou uma hora que o meu dedo já não forçava mais vomito então eu colocava a ponta do pente, bebia muito liquido junto com a comida para facilitar o vomito... Fazia tudo para vomitar. Digo uma coisa de coração, DEPOIS DE TODA DOR E SOFRIMENTO QUE PASSEI NAQUELE HOSPITAL, TIVE CERTEZA QUE POR MAIS PRAZEROSO OU NAO QUE SEJA VOMITAR OU COMER PARA MORRER COMO EU COSTUMO DIZER, NAO VALE A PENA. POR MAIS QUE SEJA GOSTOSO SER MAGRA COISA QUE NUNCA TINHA SIDO E SONHAVA EM SER, CONFIRMEI COM MINHA PASSAGEM PELO HOSPITAL QUE TUDO AQUILO ERA EM VAO A TOA.... EXISTEM COISAS MUITO MAIS GRATIFICANTES NA VIDA, SEI QUE É DIFICIL É DIFICIL ATE HOJE PARA MIM, MAS TEM EXATAMENTE 11 ANOS QUE NAO VOMITO NEM UMA VEZ QUE SEJA. SABE PORQUE..... PORQUE SENTI NA PELE TODO O SOFRIMENTO QUE ESSA DOENÇA ME CAUSOU E A VIDA É DE DEUS SO ELE TEM O DIREITO DE TIRA-LA, AO VOMITAR E COMER EM EXCESSO OU ME RECUSAR A COMER POR CAUSA DA ANOREXIA NERVOSA EU ESTAVA ME MATANDO ISSO MESMO COMETENDO SUICIDIO. GENTE SOMOS SERES HUMANOS QUE TEM DIAS QUE ESTAMOS DEPRIMIDOS OUTROS FELIZES ISSO DE CERTA FORMA É NORMAL, MAS NAO PODEMOS DEIXAR ALGO QUE VAI NOS MATAR AOS POUCOS CONTROLAR NOSSAS VIDAS. HOJE ME ACEITO COMO SOU, EU PESAVA 49KG PARA 1.70 ANTES DO HOSPITAL... UNTERNADA CHEGUEI A 39KG E HOJE EM DIA PESO 60KG. AS VEZES FICO UM POUCO TRISTE TEM VEZES QUE ENGORDO, MAS PENSO AMANHA COMO MAIS COISAS SAUDAVEIS, CAMINHO E RESOLVO....A VIDA É MARAVILHOSA TIVE CERTEZA DISSO QUANDO IMPLOREI A DEUS POR MINHA VIDA, PARA PODER BEBER AGUA, OU ATE MESMO COMER E MEU ESTOMAGO FUNCIONAR... ME CHAMO LUCIANA MEU EMAIL. LUCIANA.SO@LIVE.COM. Terei prazer em conversar com vocês E ACREDITO QUE VOCES VAO SUPERAR TODA ESSA DOR E SOFRIMENTO CAUSADOS POR NOSSO PROBLEMA. Deus nos ilumine sempre.

    ResponderExcluir
  15. DESDE DE 2002 JA TOMEI VARIOS REMEDIOS, MAS O PRINCIPAL É PROCURAR AJUDA... HJ EM DIA NAO VIVO SEM MINHA PSIQUIATRA E MINHA TERAPEUTA, POIS GRAÇAS A DEUS A TERAPIA ESTA FAZENDO MILAGRES. PEÇO A VOCES NAO CHEGEM AO PONTO QUE FIQUEI NAO, PROCUREM AJUDA FALEM A VERDADE PARA OS MEDICOS, NAO TEM COISA MELHOR QUE VIVER E VIVER BEM. GORDINHA OU MAGRINHA A VIDA FOI DADA POR DEUS E TENHO QUE CUIDAR DELA COM AMOR E CARINHO. QUEREM SABER AS PESSOAS FALAM DE QUALQUER FORMA DE NOS MAGRAS, GORDAS NAO IMPORTA.... MEU SONHO ERA PROVAR PARA AS PESSOAS QUE EU PODIA SER MAGRA COMO ELAS...E DEPOIS O PRAZER PELA BULEMIA ME DOMINOU. MAS HJ EM DIA NAO ME IMPORTO TENHO METAS OBJETIVOS DE VIDA, COMO SER CONCURSADA QUE EXIGEM DE MIM UMA BOA ALIMENTAÇÃO PARA PODER ESTUDAR, QUERO SER MAE. E SENDO BULEMICA E ANOREXIA NAO PODERIA FAZER NADA DISSO EU VIVIA DESMAIANDO DE FRAQUEZA. PARA TER O CORPO QUE QUERO, FAÇO ATIVIDADE FISICA, COMO DE 3 EM 3 HORAS, E ME PERMITO UMA VEZ POR SEMANA COMER DOCE E OUTRAS COISAS GOSTOSAS. NAO É FACIL ADMITIR QUE ESTOU 10 KG A CIMA DO MEU TAO SONHADO PESO, MAS NAO POSSO CAUSAR UM OUTRO PROBLEMA PARA RESOLVER UM. COMEÇAR NOVAMENTE COM BULEMIA E ANOREXIA PARA BAIXAR PESO, CORRENDO O RISCO DE VICIAR NA BULIMIA NAO DA.

    ResponderExcluir
  16. Olá, primeiramente obrigada por esse relato, obrigada por mostrar sua coragem, só quem sofre dessa doença sabe como é difícil tudo isso. Bem, eu tenho bulimia desde os 12 anos e hoje prestes a completar 19, vejo mudanças no meu corpo, meus dentes doem, e mesmo quando não quero vomitar, não consigo me controlar. Minha família sabe disso, mesmo eu tendo feito o possível para esconder, acabaram me vendo fazendo isso. Eu não sei o que fazer, não estou acima do peso, tenho 1.55 de altura e 47kg, mas não consigo me conformar pois são dígitos muito altos, eu não me conformo em me ver tão gorda. É tão difícil querer mudar, lutar consigo mesma. Eu não sei o que fazer. Tenho medo de falar com alguém e tirarem sarro, sei que falarão que é frescura. Mas eu acho que preciso de ajuda, não quero acabar morrendo por causa dessa doença, quero ter uma vida normal,longe dessa psicose, das minhas paranoias, longe do monstro que eu criei. Se puder dizer qualquer coisa à mim, ficarei muito feliz, desde já obrigada.

    ResponderExcluir
  17. Parabééns pela sua vitoria! Estou nesta luta a 3 anos .. mas nao aguento mais, minha vida esta sendo destruída.. meu namoro ta por um fio .. enfim preciso de tratamento urgentemente, você teria o contato de algum psicologo ou psiquiatra ? pode mandar email p mim pains.beatriz@gmail.com

    ResponderExcluir
  18. Olá, o meu nome é Sônia Barros estou no curso de ciências da nutrição, estou a fazer um trabalho sobre bulimia em que faz parte colocar algumas perguntas a familiares de uma pessoa que tenha passado por este episodio de bulimia, posso contar com a sua ajuda e enviar as questões para me responderem?

    Obrigada

    ResponderExcluir
  19. ola, meu nome e Adriane, tenho 17 anos e estou em um começo de bulimia, já desconfiava à algumas semanas, mais hoje tive a certeza, trabalho em uma loja que vende chocolates, salgadinhos, balas e doces, sempre fui magra e comia muito porque não tinha facilidade para engordar, depois que vim trabalhar aqui passei a comer o dia inteiro essas porcarias e substituir as refeições por elas, depois de comer ate não aguentar mais sinto uma culpa terrível, choro e me arrependo, ja pensei varias vezes em vomitar, mais felizmente não tenho coragem, sempre penso que no dia seguinte eu vou me controlar, mais não consigo olhar para os doces, as vezes fico uma semana bem, mais logo vem a recaíada, e ela e muito pior.
    Não quero que esse inicio de doença se torne realmente uma doença em um estágio avançado, decidi hoje mesmo que vou me cuidar, e ficar linda, não quero mais isso, ta me destruindo.
    Me desejem boa sorte, a partir de agora vou recomeçar.

    ResponderExcluir
  20. boa tarde .
    gostaria muuitissimo que me enviasse o contato da sua psiquiatra , tenho uma grande amiga um estagio muito evoluido de bulimia .
    agradeço imensamente
    anaclaudia@sticker.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas