17. Atitudes "Bulimicas" no amor

Ontem estava pensando na vida, era aniversário de um ex namorado. Vou chamá-lo de Luis. Luis era tipo aqueles meninos bonzinhos que fazem tudo por você, foi uma paixão tão forte que em 1 mês depois que agente se conheceu já estavamos morando juntos. O relacionamento durou 1 ano e meio e acabou com policiais batendo na minha porta, objetos quebrados em casa e nem fui eu que quebrei. Poderia simplesmente falar que o culpado foi o Luis, descontrolado, obsecado, sim ele chegou a este ponto. Porém dois anos depois eu faria "o papel do Luis"!

Depois do Luis, passei 1ano solteira e conheci o Miguel. Miguel parecia um menino bonzinho, mas era mais esperto, me encantei por ele e achava que ele faria tudo por mim. Na primeira semana ele disse que já me amava, não acredito em amor tão rápido, mas sentia uma paixão. Como uma ilusão bulímica, eu caí na armadilha. Começamos a namorar. Em 2 semanas já tinha a chave da casa dele e passava mais tempo lá, do que na minha. Ele pensava mais nele do que em mim e ao invés de abandoná-lo eu comecei a querer dominá-lo.

Como na bulimia que agente quer controlar o peso, o que fica e o que sai. Eu tinha facilidade em dar pé na bunda de ficantes por qualquer motivo. Tinha uma fila de homens me bajulando. nunca recebi um não. Se um homem não morresse de amor por mim, não servia pra mim e todos meus namorados foram assim. Mas por alguma razão o ato de "largar o Miguel", seria assumir que eu tinha feito uma escolha errada, ou pior, que tinha sido enganada. Eu não queria dar o braço a torcer.

Miguel não era o melhor, nem o mais bonito e nem apaixonada eu estava, mas era uma sensação de fracasso falar que eu "escolhi a pessoa errada". Eu queria a qualquer custo que depois do meu "jejum de 1ano sem namorar", Miguel preenchesse este vazil. O mesmo vazil que um dia a comida preenchia. Queria que Miguel fosse perfeito, e eu faria tudo, daria todas as chances pra que isso se tornasse real. Estava nas minhas mãos assumi que fiz uma escolha ruim ou mudar o jogo.

Eu procurava homens que fariam TUDO POR MIM e com Luis foi muito facil, como foi com todos meus exes. Vivi todas as paixões ao extremo. Cada final era um drama, que eu mesmo causava e terminava. Com a certeza que se um dia eu voltasse ou me arrependesse os teriam de volta. Porém com o Miguel eu larguei as rédias, ele era quem dava as cartas e cada vez mais eu ficava desesperada querendo dar a volta por cima, por me sentir completamente na "mão dele."

AS BRIGAS
Eu e o Miguel terminavamos todos os meses, quase semana sim, semana não. Nossas brigas duravam no máximo 3dias, perdemos o respeito um pelo outro, falavamos coisas horríveis e eu cada vez mais dependente desse ciclo de amor e ódio. Agora não era só o fato de ter feito a escolha certa, mas de voltar a ter o controle do relacionamento.

Me vi em uma situação que acreditava não sobreviver sem ele. Dentro de mim, o Miguel se tornou uma obcessão. Perdi meus valores. Mesmo sabendo que ele já se relacionava com outra eu o queria de volta. Ele jurava que não tinnha ninguém e eu dava graças a Deus que ele ainda mentia pra me segurar. Se eu assumisse que já sabia, teria que colocar meus valores contra meus desejos. Eu perdi o controle do relacionamento, e depois perdi o controle dos meus sentimentos e vontades.

No passado, o Luis se descontrolou porque eu não o queria mais. Eu me "entupi do Luis e vomitei tudo pra fora"ele me sufocava, inconformado ele perdeu a cabeça. Com o Miguel eu também "vomitei o relacionamento" quis descarta-lo, mas comecei a me sentir fraca sem ele. O Miguel, mentia, me traia, me destratava, mas ele sempre voltava e se não voltava, eu o fazia voltar! O Miguel me dobrava com as palavras com o "eu te amo" olhando nos olhos e eu me deixava cegar.

Eu o largava e depois o queria de volta. Como minhas antigas recaídas bulimicas.

Hoje me sinto como me sentia naquele finalzinho da epoca bulimica, quando eu já sabia que o ciclo me fazia mal. Passava 1, 2 meses sem vomitar e sofria as recaídas, assim me sentindo a pessoa mais perdedora do mundo, é assim que eu me sinto toda vez que desejo ou fico com o Miguel!

Eu sei que me faz mal, mas não consigo cortar o ciclo. A cada recaída eu solto um "eu te amo" e depois uma depressão toma conta de mim. Um sentimento de ansia de vomito, porque eu sei todo mal que este relacionamento me causou!



Alimentei relacionamentos conturbados, fui para dois extremos. Mesmo jogando a submissa com o Miguel, a minha personalidade é EXTREMAMENTE CONTROLADORA.

De novo aquele tudo ou nada. (jejuns x barriga cheia) Sou compulsiva no amor, na posse de sentimentos. SOFRO COM O MIGUEL, MAS ELE SEMPRE VOLTA MAIS CHARMOSO E EU CAIU NA ARMADILHA. MAIS UMA RECAÍDA, QUE SÓ ME TRAZ ANGÚSTIA E DOR.

Hoje é o segundo dia que eu não falo com o Miguel. mas uma vez ele mentiu pra mim e eu não aguento mais suas mentiras. Ha 1 mes agente nao se ve, antes foram 3, um record! Vou começar uma outra luta, me curar de relacionamentos compulsivos e um dia conquistar o que eu conquistei com a comida, a minha liberdade! Uma vida saúdavel! Ser alguém melhor para merecer alguém melhor! Tenho dificuldade em ficar sozinha, mas sou muito seletiva pra namorar. Não sei se não vou ter mais recaidas, nem quero pensar. Que Deus me de forças e eu não entre mais nessas compulsões amorosas!

Texto de . Potira Marie @copyrights reserved

Comentários

  1. meuuu... achei esse post simplesmente BRILHANTE! total me identifiquei.
    passo pela mesma coisa
    e foi assim, um momento de luz ler isso
    estou em terapia e com certeza levarei isso para a próxima sessão!!!

    Muito obrigada pela elucidação!
    forte abraço!
    laila

    ResponderExcluir
  2. Extinguir a bulimia não significa modificar os padrões compulsivos, que neste momento estão manifestados na maneira obsessiva com que lida com os relacionamentos amorosos. Sugiro que procure orientação nos grupo MADA (mulheres que amam demais), lá poderá encontrar ferramentas para ajudá-la se perceber e identificar um relacionamento tóxico.
    Quanto a solidão, você terá uma luta pela frente, pois também haverá a síndrome de abstinência e neste momento deverá pensar no que o outro pode oferecer em termos de autonomia, direitos e valores pessoais.
    O ditado está correto e acrescento, "melhor só do que mal humorada" e doente!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Gente é a mesma coisa larguei o vicio da bulimia,mas agora tenho compulsão nos relacionamentos,amo quem não me ama,me despreza, me maltrata e eu ainda corro atras dele,não é falta de vergonha é mais forte do que eu assim como vomitar td que como graças a Deus isso eu to controlando so as vezes tenho recaida.

    ResponderExcluir
  4. Estou amando uma bulimica. Ela tem 26 anos, se trata com um grupo desde os 15. No início de nosso relacionamento houve um grande extase e exagero, de ela já querer morar junto e construir casa juntos. Ela vem de um relacionamento muito dificil no passado, com bastante violência. E esta semana ela terminou comigo porque não é capaz de me dar amor,e precisa se recuperar sozinha para estar bem com ela mesma, para poder me amar. Sou do tipo "bonzinho" hehehe. Queria muito poder ajudá-la. O que faço?
    Abraço. Paz. Aguardo uma resposta
    Samuel

    ResponderExcluir
  5. Ela é do tudo ou nada, ou te quer com o pacote completo, casa comida e roupa lavada ou nao te quer mais. E assim ela é com a comida.
    Eu nao sei se ela encherga isso, mas é tente alerta-la sobre suas atitudes e como ela as repete em outro aspecto da vida mesmo nao tendo a comida no meio.

    Compreender a doença como um todo é uma grande etapa. bjs

    ResponderExcluir
  6. Namoro a 3 anos,e a mais ou menos 6 faço bulimia e nunca contei para meu namorado,acho que a unica pessoa que sabe que eu fiz (mesmo assim juro que parei a uns 2 anos) é minha mãe.Não sei se deveria falar para ele,mesmo confiando muito e precisando do apoio dele.

    ResponderExcluir
  7. Parece que é um jogo de poder... Quando ele liga você não quer atender pra se fazer de difícil mas por dentro fica se sentindo, mas quando ele fica dias sem ligar você se sente a pior pessoa do mundo.
    Estou passando por isso....
    Fui traida pelo meu namorado, não com uma mulher, mas como amiga, ele foi um babaca comigo, e a Luiza antiga, a que vc citou que tinha um bando de homem aos pés, simplesmente ia olhar pra frente e seguir. O orgulho ia falar muito mais alto. Mas parece que se vc nao tiver o controle da situação vc será uma fracassada... E é ai que acontece o pior. Vc se humilha, voltas atrás de coisas que vc havia falado, perde o respeito... Enfim. Força algo que nunca vai ser o mesmo. Falta amor próprio nessas horas mas é tão dificil centrar em mim mesma quando estou com esses pensamentos obsessivos.....
    Uma coisa é certa. Sò é possível amar o outro quando nos amamos. E nós somos a pessoa mais importante de nossas vidas.

    ResponderExcluir
  8. Nossa que delicia re-ler este post! Onde 2 dias eram doloridos ficar sem falar com Miguel.
    Hoje eu consegui, nao me importo em falar ou nao com ele, nao me incomoda mais, porém naturalmente nos distanciamos.

    Depois deste post passei 4 meses sem falar ou ve-lo. Fiquei tao bem comigo, sumi do mapa. Ao comecár um novo relacionamento o Miguel me procurou. Veio atras de mim algumas vezes, me pediu desculpas.

    Estranho que essas coisas acontecem qnd vc nao se preocupa mais, qnd vc ja esta bem. Nem odio, nem magoa, nao sinto mais nada.

    Hoje estou namorando a 8meses uma pessoa maravilhosa, eu realmente tive que me tornar uma mulher mais completa e melhor para conhecer alguem melhor. Valeu a pena! <3

    ResponderExcluir
  9. Nunca tinha percebido como uns distúrbios podem estar relacionados com os outros. Comecei há muito pouco tempo o meu blog porque decidi que basta de me auto-destruir e quero me sentir bem. Porque não consigo dormir de noite com medo de morrer por culpa dos meus problemas.
    Este lado dos relacionamentos é algo brilhante de observar para alguém como eu que achava que já sabia tudo sobre distúrbios alimentares. Muito obrigada por isso

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas